28 de fevereiro de 2013

BARBEARIAS EM PORTUGAL, E A SUA DECADÊNCIA

As barbearias em Portugal vão desaparecendo a curto prazo, eis algumas das causa que motivaram o desaparecimento o estilo característico das barbearias que ao longo de séculos se foi usando na serventia do povo com outras tradições que estão a desaparecer.

todos nós sabemos o que alimentava mais as barbearias eram as barbas que ao amanhecer alguns clientes esperavam o abrir da porta para fazer a barba, que era uma prática quase diária pelo menos nas vilas e cidades.

Com o aparecimento das gilettes os clientes foram desaparecendo aos poucos e o trabalho começou a faltar nas barbearias, e começou ai o fecho de muitas barbearias em Portugal.

Também sabemos a história que o barbeiro era o dentista e barbeiro cirurgião, e em 31 de Julho de 1870, que os barbeiro foram proibidos de tirar dentes, ou seja quem quis ficar em dentista ficou, quem quis ficar em barbeiro ficou, mas essa pratica de tirar dentes funcionou quase ate ao ano de 1940.

Depois veio esta moda mais ou menos em 1970, a de cabeleireiros unissexo, e desde ai então com o nome de cabeleireiro foram desaparecendo grande parte das barbearias em Portugal

26 de fevereiro de 2013


Terça-feira, Fevereiro 26, 2013

Edição de fevereiro do Jornal de Resende

A classificação de monumentos de interesse público das Pontes de Ovadas, da Lagariça e de Carcavelos é o tema central da edição de fevereiro do Jornal de Resende.
Destaque, igualmente, para os bons resultados da formação do Grupo Desportivo de Resende, para o título de Campeão Nacional de Slalom obtido por Ricardo Pimenta, para a participação de Humberto Coelho no“Dia do Futsal”, em S. Martinho de Mouros, para o galardão “PME Excelência 2012”, obtido pela empresa de Pinto Bernardino, e para a celebração do Dia de S. Brás, em Cimo de Resende, entre outras notícias.
Na publicação, destaca-se, também, uma entrevista com o Presidente da Junta de Freguesia de Ovadas, Isidro Pereira, numa crónica assinada por Marinho Borges, intitulada “Ao almoço com…”,patrocinada pelo restaurante Gentleman.
Relevo, ainda, para os habituais artigos de opinião, da autoria do Dr.º João Teixeira, Dr.º Joaquim Correia Duarte, Dr.ª Rita Diogo, assim como para a “Bicada na Cereja”.
Etiquetas:

23 de fevereiro de 2013

NUNO MACHADO


Quem não  acompanhar a juventude, é sinal que parou no tempo.

Nuno Machado
"Estudante"

Desde  muito criança que nos visita com certa regularidade, sempre com uma boa simpatia, como toda a família quando visitam os Pinto's Cabeleireiros Apolo 70 em Lisboa, para cortar o cabelo,   e com o seu "haerstyile," feito par Daniel Castro 

Devemos sempre acarinhar nossa juventude os nossos homens do futuro que a altura que vamos atravessando é cada vês mais necessário virem outras ideias para ver se serão capazes de ultrapassarem a crise que o mundo esta mergulhado.

Não será de certeza para meu tempo, mas temos esperança de ultrapassarmos com esta simpática juventude, que também esperam que o Benfica ultrapasse todos os clubes.

Este nosso salão de cabeleireiro de homens que marcou e marca uma época de grandes personalidades de todos os quadrantes, tem que apostar na juventude para darmos continuidade a esta tão distinta clientela, que por norma são de três gerações,  avós pais e netos, tal com o Nuno Malhado , que seu avô era cliente e o seu pai é  nosso estimado cliente ainda muito jovem.
~
Amigo Nuno Machado obrigado por ceder sua foto com seu penteado, que muito honra os Pinto's Cabeleireiros de Apolo 70, e espero que um bom estudante como és, que sabe se vens a cer um excelente Medico como o teu pai  Dr. Gomes Machado.

Um abraço
Joaquim Pinto

22 de fevereiro de 2013


quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013


Medeiros Ferreira

Com inteligência culta, José Medeiros Ferreira deu ontem uma bela lição de história diplomática contemporânea, na conferência sobre o papel de Mário Soares como ministro dos Negócios Estrangeiros, que ontem proferiu nas Necessidades, a convite do Instituto Diplomático.

Tenho uma limitada esperança de que a totalidade dos auditores possa ter sabido apreciar, à exaustão, esta magnífica prestação e, em especial, algumas sofisticadas subtilezas que lhe estiveram subjacentes. Na sua forma e no seu conteúdo - de há muito aprendi que, com Medeiros Ferreira, as duas coisas são sempre inseparáveis -, esta revisitação dos primeiros tempos do Portugal pós-abril constituiu uma riquíssima interpretação desses tempos conturbados, do ponto de vista de alguém que, tendo sido ator político relevante nesse mesmo domínio, não foi apenas um observador neutral desse período.

Tendo lido quase tudo o que sobre essa época se escreveu, creio nunca ter visto uma desconstrução tão fina e cuidada sobre a figura diplomática de Mário Soares no contexto da política de descolonização, tendo como cenário de fundo os conflitos, abertos ou subliminares, havidos com Spínola (e, depois, não só com ele) nesse contexto. Pela primeira vez, esta conferência ajudou-me a reflectir sobre a evolução do papel político de Soares face à negociação dos processos independentistas. Interessantes também foram as notas sobre o posicionamento de Mário Soares perante a Europa e os EUA, bem como a revelação da (pouca) importância que atribuía às relações com a Rússia e a Europa de Leste.

Medeiros Ferreira só ligeiramente aflorou, para logo se afastar do tema, o tempo em que foi, ele próprio, ministro dos Negócios Estrangeiros do primeiro-ministro Mário Soares. A questão de Israel, que terá estado na origem da sua decisão de sair do cargo, veio à baila nesta conferência, num registo muito curioso, embora apenas para iniciados. Lembrei-me, na ocasião, de uma frase que ouvi Mário Soares dizer a Itzhak Rabin, em 1995: "Foi por causa de Israel que perdi um ministro dos Negócios Estrangeiros".

Devo dizer que fiquei muito satisfeito por ter tido a oportunidade de ter estado presente nesta conferência e nela observar o meu amigo José Medeiros Ferreira na sua melhor forma. A qual comporta sempre a dimensão polémica que é a sua inigualável imagem de marca.

20 de fevereiro de 2013

NAVALHAS DE BARBEAR, PEÇAS DE MUSEU



Este conjunto de navalhas de barbear, era uma coisa digna de saber se alguem ainda não sabe, tinha sete navalhas neta caixa que eram marcadas uma para cada dia da semana, quem diria que noutros tempos havia a distinção do bom gosto e marcar a diferença de quem tinha dinheiro para estas coisas.

19 de fevereiro de 2013



  • Alguns leitores deste blog olhando a fotografia deste frasco possivelmente não identificarão a sua utilização.
    Mas quem, há umas dezenas de anos atrás frequentava as barbearias de então, reconhecerá nele o famoso frasco da brilhantina, um espécie de óleo com que se penteava o cabelo e que dava ao mesmo um aspecto molhado e brilhante. Nesse tempo era hábito os clientes deslocarem-se ao barbeiro para fazerem a barba, duas ou três vezes por semana, aproveitando a ocasião para dar uma penteadela no cabelo e « passar» a navalha para limpar o pescoço já que nos empregos era notado e mesmo exigido nalguns deles, um permanente tratamento de limpeza do cabelo e barba não podendo deixá-los crescer para lá de um certo limite.
    Quanto à cadeira de barbeiro da foto, deixou de se usar há muito. Estas cadeiras eram totalmente em madeira e tinham um encosto de cabeça onde se colocava um rolo de papel que se ía mudando consoante os clientes iam sendo «despachados». Já nos anos sessenta vieram as cadeiras cromadas e estofadas que aos poucos foram substituindo um pouco por todo o lado, as velhas cadeiras de madeira como a que se pode ver na foto publicada.

 

PAUS-RESENDE

Palavras e afectos em torno de Resend

Quinta-feira, Fevereiro 14, 2013


Entrevista com Manuel Chaves, Presidente da Junta da Freguesia de Paus*

A conversa decorreu ao longo de um jantar no Gentleman, tendo dado origem ao apontamento publicado no Jornal de Resende, edição de Janeiro de 2013, e que pode ler n' O Canastro (link). 
Etiquetas: ,

17 de fevereiro de 2013

BARBEIROS DENTISTAS E SANGRADORES



Este bonito mostruário de peças do antigo barbeiro e dentista, devo dizer que foi um pouco difícil arranjar este espolio para o museu do barbeiro e cabeleireiro, mas é com muito orgulho e gosto mostrar estas bonitas peças para não deixarmos morrer a historia daqueles celebres artistas, que a historia nunca os poderá esquecer.

Devo dizer que levei vários anos a coleccionar estas peças, que hoje em dia sou muito solicitado para deixar filmar, fotografar para a TV, revistas no pais e no estrangeiro  inclusive a TV globo para um telenovela e varias  exposições que sou solicitado


Barbeiros Sangradores

 "Bistorís"

Caros amigos com certeza que sabem do que estou a falar, não pelos barbeiros serem maldoso, mas sim pelo seu grande trabalho que exerciam a séculos atrás.
Começou nos anos 1000 as sangrias nos conventos a titulo religioso, eram os monges que eram obrigados a fazer as sangrias e tudo era obrigado a deixar fazer. mais tarde tornou-se generalizado que se fazia parte para tratar da saúde  Esta tradição efectuo-se até ao principio do século XIX.
Estes grandes artistas que eram os barbeiros sangradores, tinham que andar dois anos na pratica num hospital, e lhe era concedida a autorização para essa prática.
Noutra altura irei dar mais detalhada informação a este artigo.
Com amizade

16 de fevereiro de 2013

NAVALHAS DE BARBEAR MARCA CORNETA

Caros amigos e colegas de profissão de barbeiros e cabeleireiros, em relação ás navalhas de marca corneta, não pensem que é uma marca Portuguesa como tenho ouvido falar, mas é errado.

Estas navalhas com esta marca corneta, são origem Alemanha  e de marca Solingen, mas com contrato ou acordo com portugal e Brasil, onde foi sempre comercializada, com esse acordo, mas a navalha é Solinguem.

15 de fevereiro de 2013

ANTIGUIDADES DOS BARBEIROS E CABELEIREIROS

Peças de antiguidades que se usavam nas antigas barbearias, que hoje servem para recordar os tempos passados, que já foram a moda, hoje fazem parte da história, que é bom irmos lembrando

14 de fevereiro de 2013

Segunda-feira, 11 de Fevereiro de 2013

POESIA EM PORTIMÃO - DIA 14, 5ª FEIRA


A Biblioteca Manuel Teixeira Gomes em Portimão, magnificamente dirigida pela dra. Dora Pereira, é uma daquelas de que guardo doces memórias. Já por ali passei muitas vezes em várias colaborações de grande intensidade.

(Pena é que a crise leve a que algumas Câmaras comecem os cortes pela cultura e pelas Bibliotecas. Por mais que possamos insistir na importância fundamental da cultura, especialmente necessária em tempos de crise, grande maioria dos nossos políticos leva muito tempo a aprender.)

Tinha ir a Portimão mostrar o meu novo livro e partilhar alguns poemas com quem por lá costuma e quiser aparecer.



13 de fevereiro de 2013

GILETTES E NANALHAS DE BARBEAR


As navalha de barbear tiveram o seu ciclo de primeira utilidade até mais ou menos ao fim do século 19, quando quase tudo fazia a barba com a navalha.

Quando começou a aparecer as gilettes, as coisas foram mudando até que as gillettes tomaram conta dos serviços de barbear, e começaram a escassear nas barbearias, que estão quase iluminadas as saudosas barbas nos barbeiros

 Exposição: Colecção de Barbeiro e Cabeleireiro

11 de fevereiro de 2013

UTENSÍLIOS USADOS NAS ANTIGAS BARBEARIAS E CABELEIREIROS DE SENHORAS


Os tempos muda e os utensílios que se vão usando dão lugar aos antigos, que só assim se vai evoluindo em todos os trabalhos.

Era muito usada esta peça de coleção, para aquecer a agua e aquecer os ferros de frizar bigodes e ferros de enrolar os cabelos, quando usado nos cabeleireios de senhoras.

Este esquentador bastante antigo, que foi usado muitos anos nas barbearias e cabeleireiros de senhoras

9 de fevereiro de 2013

OLIMPIO FERNANDES


 OLIMPIO FERNANDES
"CABELEIREIRO"

COVA GALA FIGUEIRA DA FOZ

Caro amigo Olimpio Frnandes
Os grandes cabeleireiros nunca envelhecem, tem sempre as ultimas novidades na nossa respeitada profissão, que não lembramos a idade nem as horas que vão passando encostado a uma cadeira a cortar cabelos e barbas, e não só e dialogando com seus clientes para não perdermos nossa mentalidade sempre jovem que é o meu amigo olimpio.

depois de tantos artigos publicados no seu blog. do colega Olimpio, tenho tirado inalações que tem sempre surpresas na parte positiva, algumas não me vou pronunciar atendendo a que trabalhamos com tecido um pouco diferente e que cada um tem que vestis seus amigos.

É notável a sua paixão pela profissão, e como ilugia seus colegas com seu grau de humildade que bem caracteriza os grades senhores de todos quadrantes, que lhes atribuímos maior valor e humano.
Tenho pena de estarmos um pouco longe, senão os velhos se associa-vão ao velho ditado que éramos como o vinho do porto, não como os jogadores quanto mais velhos melhores, e colaborávamos mais no desenvolvimento da nossa profissão,, que o meu amigo é apontado como um grande senhor na profissão.

Vá continuando a escrever seus artigos , que eu em Lisboa os vou publicando no meu blog, que o vou enriquecendo e também a profissão.

Olimpio Fernandes 

Exposição de Peças de Barbearia e Cabeleireiro no Museu Municipal de Resende - YouTube



7 de fevereiro de 2013

Quarta-feira, Fevereiro 06, 2013


Atribuição de condecorações*

Por proposta do Eng. António Borges, foi aprovada em sessão de Câmara Municipal a atribuição das seguintes condecorações, a ser ratificada pele Assembleia Municipal:
-Com a Medalha de Ouro de Honra do Município:
1. Prof. Dr. Padre Anselmo Borges
2. Prof. Dr. Carlos Alberto Sequeira
-Com a Medalha de Ouro de Mérito:
1. Dr. Carlos Alberto Ferreira Coelho
2.Eng. Manuel Luís  Silva Pereira Tuna
3. António Fonseca
4. Albano António Alves dos Santos 
5. Sílvio Alípio Pinto
6. Joaquim Pinto
7. Dr. Adriano Pereira
8. Júlio Alberto Francisco 
9. Francisco da Silva Pereira Tuna
10. Manuel Jorge Barbosa Cardoso
11. Arlindo Pinto Sequeira
12. Fernando Manuel
Etiquetas:
Publicado por Marinho Borges Às 18:22

EXTRAIDO DO BLOG: PAUS-RESENDE

2 de fevereiro de 2013



HISTÓRIA DOS BARBEIROS CIRURGIÕES



Historia dos Barbeiros Cirurgiões.

Os barbeiros sempre estiveram ao lado do povo, e os dados que tenho conhecimento, já havia navalhas de barbear na era do ferro, e há provas de navalhas em cobre mais ou menos 3500 anos aC.

Tenho conhecimento que a primeira barbearia que se instalou foi em Roma 296 aC. e o barbeiro rapidamente começou a instalar-se em barbearias pela Europa.

Os barbeiros cerca de 1000 anos a C,já faziam as sangrias  no Egipto na Grécia e nos Romanos.

A historia da medicina era usada pelos monges, faziam sangrais, por uma questão de crença, para espantar os males, e em 1163 pelo supremo dos monges proibirão de fazer as sangrais e praticar a medicina, porque não seria compatível com a religião de lidar com o sangue, e tratar os doentes , e assim deram por terminado tal trabalho que eram eles que praticavam a medicina.

Foi dai que os barbeiros convidados aos conventos passarem a fazerem as barbas tirar os dentes e começarem a exercer a medicina dos tais barbeiros cirurgiões que os monges os ensinaram todas as técnicas e então exercera estas tarefas da cirurgia as sangria e como dentistas, que em portugal pela lei de 13 de Junho de 1870, foram separadas as profissões, que quis ficar em dentista ficou, e quem quis ficar em barbeiro ficou.

Mas esta pratica de tirar dentes, há 50 anos me lembro ainda de um barbeiro que era também dentista, que me cortou o cabelo algumas vezes.

Com amizade Joaquim Pinto