30 de setembro de 2009

ESTOJO DE HIGIENE PESSOAL

ESTOJO DE HIGIENE PESSOAL
Noutros tempos que já lá vão, era muito usado, visto estar muito ligado á barba e seu arranjo da pele e cabelo.
penso que tem a sua importância também ter conservado este este estojo que esta sempre ligado á toilette.
Atentamente.
Joaquim Pinto.

Linc:Bicho Carpinteiro
Linc:Going to Lisbon, what should I buy - Badger & Blade
Linc:Duas ou três coisas
Linc:http://www.miguelgarciacabeleireiro.com/web/
Linc:Duas ou três coisas

29 de setembro de 2009

ESPOSIÇÃO DE ANTIGUIDADES BARBEIRO E CABELEIREIRO

Exposição de antiguidades barbeiro e cabeleireiro.
Aristides Batista, Joaquim Pinto e o Dr. Silva gama, quando numa exposição na F I L quando estávamos no Clube Artístico dos Cabeleireiros de Portugal, e que o dr. silva gama o grande entusiasta e entendido nas exposições, cheguei a andar pelo Pais por 22 exposições e até em Paris, a convite da Caixa Geral de Depósitos.
Com o meu amigo Aristides Batista nos encontremos muitas as vezes nas feiras de antiguidades, e tomarmos o nosso café.
Atentamente.
Joaquim Pinto.
Linc:PAUS-RESENDE
Linc:Museu do Barbeiro e Cabeleireiro
Linc:Duas ou três coisas
Linc:Bicho Carpinteiro

28 de setembro de 2009

ARISTIDES PEREIRA BATISTA




Aristides Pereira Batista
"Cabeleireiro"

Presidente da Assembleia Geral da Associação Portuguesa de Barbearias Cabeleireiros e Institutos de Beleza.

Fui felicitado por este grande mestre em cabeleireiro de senhoras, ao me ceder para o meu blogue e para os colegas cabeleireiros verem os bonitos trabalhos. foi meramente a meu convite, e que irei fazer mais aos cabeleireiros para mostrarem aqui os seus trabalhos exibidos nos seus momento da carreira profissional.
Entendi criar um blogue cultural e profissional que é para ter movimento profissional e com certeza cultural.
Pois este meu amigo Aristides Baptista tenho andado á vários anos em boms contactos de amigo, tal como no Clube Artístico dos Cabeleireiro de Portugal, como na Associação Portuguesa de Barbearias Cabeleireiros e Institutos de Beleza.
Este nosso colega não precisa de esclarecer muito da sua carreira, que é muito conhecida no meio dos cabeleireiros e do publico em geral.
Amigo Aristides Pereira Baptista o meu bem haja por me ter cedido estas fotos.e por me autorizar em por um pouco da sua vida profissional no meu blogue.
Com certeza que está a criar muito interesse nesta divulgação pois para mim é uma grande satisfação.

Atentamente.

Joaquim Pinto.
Linc:Edições Romano
Linc:Duas ou três coisas
Linc:Bicho Carpinteiro
Linc:Associação Portuguesa de Barbearias Cabeleireiros e Institutos de Beleza
Linc:Associação dos Cabeleireiros de Portugal

CABAÇA DO PÓ DE TALCO


Cabaça do pó de talco, em borracha.
Era usada tradicionalmente nos salões de barbearias, quando no final do corte de cabelo se punha numa escova e se passava no pescoço para limpar os cabelos cortados, que com o pó de talco secava a pele e o cliente ia mais asseado.

Atentamente.
Joaquim Pinto.
Linc:Museu do Barbeiro e Cabeleireiro - Joaquim Pinto
Linc:Bicho Carpinteiro
Lin: Pinto's Cabeleireiros - Apolo70 - Joaquim Pinto
Linc:PAUS RESENDE
Lin: Duas ou três coisas

27 de setembro de 2009

FERROS PARA ONDULAR E FRIZAR CABELOS


Ferros de ondular os cabelos que vão desaparecendo do nosso conhecimento.

Pois era muito usual todos os cabeleireiros de senhoras terem no seu cabeleireiro, para frisar e ondular os cabelos, e nas barbearia tinham obrigatório também os ferros mais pequenos para enrolar os bigodes.

Atentamente.
Joaquim Pinto..
Linc. http://www.miguelgarciacabeleireiro.com/web/
Linc. Museu do Barbeiro e Cabeleireiro - Joaquim Pinto
Linc. Edições Romano
Linc: Pinto's Cabeleireiros - Apolo70 - Joaquim Pinto

26 de setembro de 2009

PAVILHÃO DOS DESPORTOS "ANO 1968"


Pavilhão dos Desportos Julho de 1968.
é com certeza com muitas saudades que revelo no meu blogue, mas tenho que mostrar aos meus amigos e leitos do blogue.
Não dá muito para conhecer mas passaram 41 anos que ganhei o premio no pavilhão dos desportos, troxe o 3º lugar na geral e venci por distritos.
Era aluno da Escola do Grémio dos Barbeiro e Cabeleireiros foi então que dei o pontapé de saída para uma longa carreira, que não mais parou. tinha apenas 26 anos e me lancei nos palcos da competição desta saudosa profissão que abraçou este Resendense Joaquim Pinto.
Repito não faço mais comentário que me prendo com saudades desta idade que todos temos quando se deixa a mocidade.

Atentamente.
Joaquim Pinto.
Linc.Pinto's Cabeleireiros - Apolo70 - Joaquim Pinto
Linc: Duas ou três coisas
Linc: Bicho Carpinteiro

NAVALHAS DE BARBEAR "CABO EM MARFIM"

Navalhas de barbear com cabo em marfim
Este conjunto de navalhas de cabe em marfim são centenãrias.
Foram oferecidas por um cliente da nossa casa que era do seu Avô.
Por norma esta navalhas consideradas de luxo, eram usadas por particulares, apesar estas estão por estrear que eram de um coleccionador.
Atentamente.
Joaquim pinto.
Linc:Bicho Carpinteir
Linc: Duas ou três coisas
Linc:Going to Lisbon, what should I buy? - Badger & Blade
Linc:The Portuguese Barber's Museum - Straight Razor Place Forums

FERROS DE FRIZAR CABELOS


Ferros de frisar cabelos muito usado nos cabeleireiros de senhoras.
Estes ferros eram aquecidos em lamparina com álcool., onde tinham que ter sempre duas, enquanto uma ia fazendo a ondulação, a oura ia aquecendo o outro ferro para não atrasar o trabalho.
Atentamente.
Joaquim Pinto.
Linc:Pinto's Cabeleireiros - Apolo70 - Joaquim Pinto
Linc:CENTRO COMERCIAL APOLO 70
Linc:Associação Portuguesa de Barbearias Cabeleireiros e Institutos de Beleza

24 de setembro de 2009

PENTEADO HISTÓRICO "REVISTA PENTEADOS"

PENTEADO HISTÓRICO

PENTEADO MARIA ANTONIETA - SEC. XVIII

ESTAS FOTOS FORAM CEDIDAS
PELA REVISTA PENTEADOS
"EDIÇÕES ROMANO"

Atentamente.
Joaquim Pinto.

LINC: Edições Romano
LINC:http://www.miguelgarciacabeleireiro.com/web/
LINC:The Portuguese Barber's Museum - Straight Razor Place Forums

FESTA DA LABAREDA "CONSELHO DE RESENDE


Festa da Labareda no Conselho de Resende.

Estão a decorrer até ao dia 29 de Setembro estas bonitas festas assinalando o dia do conselho. é muito divertida esta Festa da Labareda, visto trazerem a Resende muitas diversões. para os Resendenses e não só, se divertirem.
Atentamente.
Joaquim Pinto.
LINC. LINc. PAUS RESENDE
LINC: Câmara Municipal de Resende

ESTOJO COM NAVALHA DE BARBEAR


Estojo com navalha de barbear.

Esta Navalha de barbear era dum particular que o barbeiro usava quando ia fazer a barba a casa.
Sabemos que antigamente o particular gostava de ter o seu estojo para quando o barbeiro o visitava o servir com as suas peças de arte.
Atentamente.
Joaquim Pinto
Linc.Museu do Barbeiro e do Cabeleireiro Online - Directório SAPO

23 de setembro de 2009

NAVALHAS DE BARBEAR


Navalhas de barbear do ano 1880.

Estas navalhas de barbear do ano de 1880, que há um engano no ano que esta na foto, são umas autenticas relíquias do passado
não é todos os dias que se encontra navalhas tão bem estimadas com esta idade.

Atenciosamente.
Joaquim Pinto.
LINC: Bicho Carpinteiro
LINC: Duas ou três coisas

22 de setembro de 2009

CABAÇAS DO ALCOOL E DO SUBLIMADO


Cabaças do álcool e do Sublimado.

Eram usadas estas cabaças nos salões de barbearias, que antigamente todos os clientes usavam o álcool e sublimado. era o tradicional da época.
Atentamente.
Joaquim Pinto

LINC: Bicho Carpinteiro
LINC: Duas ou três coisas
LINC: Museu do Barbeiro e Cabeleireiro - Joaquim Pinto
Linc: Associação dos Cabeleireiros de Portugal

HISTÓRIA DA ONDULAÇÃO ''PERMANENTE''




















HISTORIAL DA ONDULAÇÃO “PERMANENTE”

“ através dos séculos, a sua história, demonstra as várias tentativas
por parte do homem, em conseguir uma cabeleira ondulada.”

OS EGÍPCIOS, usavam a água e o barro para ondular os seus cabelos,
enrolando-os em pequenos cilindros de madeira e de seguida, eram
colocados a secar ao sol.

POSTERIORMENTE, NA ANTIGUIDADE EM ROMA, praticava-se a ondulação a
ferro, utilizando uma bigorna e um martelo de forma côncava aquecido
numa forja a determinada temperatura , moldando desta forma os cabelos.

NO ORIENTE E NA GRÉCIA, não duvidaram em utilizar os mesmos processos
dos seus vizinhos, porque as mulheres de longos cabelos gostavam de os
ter ondulados.

NO DECORRER DO SÉCULO DE LUIS XIV, os métodos eram infernais. Só podiam
ser empregues em cabeleiras enroladas sobre moldes utilizando a terra re-
flactária, sendo submetidas a uma cozedura durante horas utilizando uma
marmita com água a uma temperatura do meio ambiente, passados em
seguida a um forno.

Foi assim, que durante séculos, foram conseguidos alguns resultados on-
dulatórios, por vezes, pouco felizes.
“ Ainda existem em alguns museus e teatros cabeleireiras em razoável estado
de conservação dessa época.”

EM ÉPOCA MAIS RECENTE, PRECISAMENTE EM 1880, é lançado em França pelo
cabeleireiro francês “MARCEL”, o método da ondulação directa. Este
método ficou conhecido pela ondulação a marcel.

Nessa época, eram utilizados ferros redondos, tipo tenaz de diversos diâme-
tros e configurações, aquecidos num forno metálico tipo (lamparina). Era
utilizado o petróleo como fonte de energia , sendo mais tarde substituído
pelo álcool.

MAIS TARDE, o método” Marcel,” foi evoluindo pelas mãos de RENÉ RAMBAUD,
também ele cabeleireiro francês, formando uma prévia ondulação de caracóis
na forma espiral. De seguida, executava o penteado. Este método foi utilizado
durante mais de 30 anos, tendo ficado conhecido por “ ondulação a Marcel.”

Ainda hoje, é executado este processo nos Campeonatos Mundiais , sendo
também, uma das provas a prestar na avaliação das carreiras profissionais.

FOI NESTA BASE DE PROCESSOS E DO CONHECIMENTO, que se desenvolveram
técnicas de execução e variadíssimos moldes de ferros e outras ferramentas
para ondular ou alongar os cabelos.

EM 1906, EM LONDRES, UM CABELEIREIRO DE ORIGEM ALEMÃ “ KARL NESSLER ,”
também conhecido por “Carl Nestlé,” que conseguiu permanentes com
carácter de “permanência”, submetendo os cabelos a vários tipos de soluções
químicas activadas por aquecimento directo sobre os mesmos.

No início dos seus trabalhos de investigação NESTLÉ, também usou a água
como loção frisadora activada com calor, utilizando para o efeito,
um aparelho de aquecimento a gás, tendo sido abandonado este processo por
falta de permanência e durabilidade da ondulação.

PROSSEGUINDO AS SUAS INVESTIGAÇÕES, por outras vias, por volta de 1909,
descobriu que a utilização do bórax em pasta, era mais eficáz, sabendo que
isso causava frequentes e sérios dados ao cabelo.

POSTERIORMENTE, fez novas experiência, substituindo o bórax por sais alca-
linos de: carbonatos e fosfatos sem conseguir ainda uma eficáz protecção
do cabelo e da pele do couro cabeludo.

ENTRE o período de 1909 1914, diversas vicissitudes se passaram para se ter
um melhor conhecimento da estrutura física e química do cabelo.

Era de vital importância ter-se esse conhecimento afim, de melhorar as solu-
ções químicas. vencer a sua resistência física, como no desenvolvimento e
aperfeiçoamento de um aparelho menos incomodo e de maior eficácia.

EM 1914, NESTLÉ PARTE PARA OS E.U.A., seguindo de perto o evoluir da Primeira
Grande Guerra de 1914 a 1918.

NESTLÉ E O QUÍMICO EMÍLE LONG, melhoraram a química do amoníaco, juntando-
-lhe o sulfato de sódio e ferro. Foi através desta combinação química que
conseguiram de alguma forma (+ ou -), o ponto ideal de frisura e os melhores
obtidos até aqui na frisura dos cabelos.

NESTE MESMO ANO, EUGÉNE SUTTER, aproveitando os resultados da
invenção de Nestlé, desenvolveu um aparelho eléctrico constituído por
20 chauffages que actuavam em simultâneo.
Por outro lado, RENÉ BAMBAUD, criticava esta forma de “permanente”.

WARVING, impunha as suas ideias (domésticas), ou seja: que belas ondulações
e bons cabelos só poderiam ser obtidos através da água.

EM 1924, JOSEPH MEYER, revolucionou um pouco a técnica de enrolagem dos
cabelos, inventando o enrolamento automático.

EM 1926, É APRESENTADO EM PARIS,o primeiro aparelho eléctrico com fios,
e o enrolamento do cabelo pelas pontas com aquecimento progressivo,
desenvolvido pela casa GALLIA.

POSTERIORMENTE, GASTON BOUDOU DA CASA Gallia, desenvolveu e aperfei-
çuou a mais completa gama e técnicas na criação de um leve aparelho a
quente, ainda hoje, existentes em museus e em alguns salões como peças do
passado recente.

PODE AFIRMAR-SE QUE A PARTIR DESTA DATA, jamais parou o progresso
técnico e científico para a obtenção da ondulação dos cabelos em estado
permanente, mas reversível.

NA REALIDADE, O INVENTOR DA PERMANENTE A QUENTE, foi sem dúvida Karl
Nessler, mais conhecido por NESTLÉ.”

NOS ANOS 30, começou a desenhar-se um novo processo químico para
ondular. Foi a aparição da designada permanente “OVER NIGHT,” cujo pro-
cesso requeria para o seu total desenvolvimento, entre 6 a 8 horas de
temperatura ambiental.
Foi um processo sem grande sucesso devido à sua morosidade.

EM 1934, A CASA PERMA, apresenta em Paris , o seu primeiro aparelho, desi-
gnado por “REGINA”, cuja temperatura das ghauffages não chegavam a
atingir entre os 250 a 300º C.

TAMBÉM EM 1934, O PROFESSOR SPEAKMAN, do Depº. das Industrias Têxteis da
Universidade de Leeds, na Inglaterra, desenvolveu uma loção química à base
de sódio à temperatura de 40º.C, dando lugar a um novo impulso à ondula-
ção “permanente,” utilizando um novo tipo de aparelho eléctrico de dimen-
sões reduzidas leve e eficáz com barras de aquecimento e chauffages com o
método de enrolagem dos cabelos pelas pontas, utilizando loções químicas
progressivas.

Este processo de permanente a quente, foi sendo destronado aos poucos pela
permanente a “MORNO,” e posteriormente, pela permanente deeprocessamento
a frio.

A PERMANENTE A MORNO, também conhecida por TÍBIA ou de autocalor. Foram
iniciados os seus primeiros ensaios em 1946, pelas casas:

Gallia e Perma,com a diminuição do calor, entre os 100 e os 120º.C. , compen-
sadas pelo emprego de soluções mais activas em relação às utilizadas para a
permanente a quente.

Foi lançada comercialmente em Paris em 1948.
“ Deve-se mencionar aqui, que outras empresas do ramo da cosmética capilar,
muito contribuiram para o desenvolvimento tecnológico de aparelhos com
designs e com nominativos próprios como no desenvolvimento de fórmulas
químicas para a ondulação “permanente”, tais como:

Franz Stoher , fundador da casa Wella
José Colomer, fundador da casa Henry colomer
L,oreál
como tantos outros,...

FINE, NOS ANOS 40, FOI DESCOBERTA E ENSAIADA A VERDADEIRA
“PERMANALMENTENTE A FRIO.” Esta, baseada numa solução amoniacal, tendo como
princípio activo o Ácido Tioglicólico e/ou derivados,do mesmo. Ainda
actualmente são utilizados nas loções redutoras para a ondulação.

Nasceu nos E.U.A. por volta de 1942 no decorrer da 2ª. Guerra Mundial,
conquistando rápidamente o Mundo, principalmente a Europa Central.

NAS DUAS ÚLTIMAS DÉCADAS DO SÉCULO PASSADO (xx), deu-se uma evolução química
e tecnológica de vital importância na “ondulação permanente.” Na qualidade das
loções químicas (redutoras), nos sistemas de enrolagem (mecânica), de controlo
visual ou por controlo electrónico.

No entanto, todas as inovações introduzidas actualmente continuam imutáveis
aos mesmos princípios de 1942,.Sejam elas, tecnológicas ou outras adaptáveis à
transformação original dos cabelos.

SINTETIZANDO TECNICAMENTE: OS PRINCÍPIOS GERAIS DA ONDULAÇÃO “PERMANENTE,
feitura ou o alojamento dos cabelos, apresentam várias dificuldades que devem
d4e ser ultrapassadas com critérios e rigor.

A principal é, pelo facto de o cabelo se comportar como uma fibra elástica o que
Significa que após sofrer uma variação na sua forma, o cabelo regressa à sua
forma original num determinado espaço de tempo. “É reversível.”
para se evitar esse regresso, é necessário transformar o cabelo, provisoriamente,
numa fibra plástica de modo a poder conservar a forma imposta.

TRÊS PROCESSOS, estão implicados e interligados na obtenção dos resultados
finais:
o amoleimento das cadeias queratínicas
a reconstrução das mesmas
a fixação dos resultados obtidos, através da neutralização.

Actualmente, as loções frizadoras, contém agentes redutores, que ao romperem os
enlaces (duplos), de enxofre do cabelo, produzem o amolecimento deste, permi-
tindo assim, uma reconfiguração da forma desejada. Em seguida, é aplicado um
agente oxidativo, o qual confere uma reordenação dos enlaces (duplos) de enxofre
em nova forma dos cabelos, ou seja, em ondulados.

De modo geral, o processo químico e mecânico para uma boa permanente, depende
essencialmente de seis factores:
– diagnóstico
– processamento mecânico: convencional ou direccionado
– boa penetração da loção redutora
– o pH da loção, ou seja, a sua concentração de força
– tempos de pose com controlo visual no desenvolvimento
ondulatório ou através de meios electrónicos.
6) -- neutralização/fixação dos resultados obtidos.

! A TÉCNICA, A SABEDORIA, E A QUÍMICA, SÃO AS CHAVES FUNDAMENTAIS PARA O SUCESSO...

texto elaborado e cedido por,
José Manuel Lopes.

ENG. LEOPOLDO PEREIRA PINTO MELO E FARO "RESENDE"

"Resende"

Eng. Leopoldo Pereira Pinto Melo e Faro


Passou Pelo nosso salão de Cabeleireiro onde é habitualmente cliente de longa data, este nosso conterrâneo de Resende S João de Fontoura.
É filho da D Carlota da Soenga em S Martinho de Mouros, que conheci muito bem. Tenho na memória do avô Dr. Lobo Melo e Faro Residente na quinta da Soenga, e quando tinha os meus nove anos fui com todas as crianças da escola do Barracão, fomos todos ao funeral do avô Dr, António Lobo de Melo e Faro, que nos deram a cada criança 2 escudos.
Conheci este Estimado cliente ainda rapazes quando nos divertíamos nos bailaricos, porque somos da mesmas idade. Tenho muito orgulho da minha terra, e redobrado orgulho quando são clientes dos Pinto's cabeleireiros Apolo 70. Este conterrâneo muito conversador sobrettudo na nossa terra, e sobre tudo que é uma pessoa muito culta e bastante simpática
como toda a gente de Resende.
Ao Eng. Leopoldo Pereira Pinto Melo e Faro, bem haja pela sua visita ao nosso salão Pinto's Cabeleireiros Apolo 70 em Lisboa.
Atentamente.
Joaquim Pinto.

LINC: PAUS RESENDE
LINC:Museu do Barbeiro e Cabeleireiro - Joaquim Pinto

CABELEIREIROS " SECADOR DE CABELO"


SECADOR DE CABELO.

Eram assam os primeiros secadores a seguir aos de parede com a corrente 110.
por os tubos furados para sair o vento quente, era assim que se usou até aparecer os que ainda hoje se usam.
Atentamente
Joaquim Pinto

Linc: Museu do Barbeiro e Cabeleireiro - Joaquim Pinto
Linc: Bicho Carpinteiro
Linc: Duas ou três coisas

20 de setembro de 2009

MAQUINA DAS PERMANENTES

Maquina de fazer as permanentes.

Esta peça era da Henry Colomer do anos 1960.
são relíquias para museu visto terem dado lugar a outra mais modernas
Esta máquina era bastante evoluída para a altura que foi um grande êxito..

Atentamente. Joaquim Pinto
Linc:Pinto's Cabeleireiros - Apolo70 Joaquim Pinto
Linc: Bicho Carpinteiro
LINC: Duas ou três coisas
LINC: Associação dos Cabeleireiros de Portugal

PROF: JOSÉ MEDEIROS FERREIRA


Prof: José Medeiros Ferreira.

Estou grato pela sua simpatia de por no seu blogue Bicho carpinteiro, um comentário a meu repeito e também um linc. para o meu blogue. No decorrer das férias quem me avisou para ver foi o meu amigo Dr. Marinho Borges de Resende e dono do blogue PAUS-RESENDE, que muito o admirou.
Sr. professor José Medeiros Ferreira vou tarde mas não me esqueço dos meus estimados clientes e amigos.
Também reparei á dias quando estava na Televisão estava com o cabelo um pouco grande. Os profissionais gostam que nossos clientes e como figuras de destaque estejam sempre bem.
Prof. José Medeiros Ferreira Obrigado e até um destes dias.

Um abraço Joaquim Pinto.
LINC: Bicho Carpinteiro
LINC: PAUS-RESENDE
LINC: Duas ou três coisas

Dr. GABRIEL BASTOS

Dr. Gabriel Bastos.
Conselheiro-Representação Permanente de Portugal junto da OCDE em Paris.

Corto-lhe o cabelo desde muito criança, mas nunca me enganei com o seu perfil muito correcto e uma criança simpática e sempre muito atento a tudo como grande observador, e com grande postura como criança e que então não me surpreende a posição que hoje o Dr. Gabriel Bastos que desempenha um lugar de tão prestigioso como aquele que ele representa em Paris. Tenho Muito orgulho por toda a família , e que são todos meus clientes á mais de três décadas, Corto o cabelo ao Pai Dr. Miguel Bastos, e aos irmãos, Dr. Tiago Bastos, André Bastos, João Bastos, e também cortei "em pequena" a franja a Mónica Bastos. uma família que eu considero minha família. Caro amigo Dr. Gabriel Bastos, Tenho que lhe desejar os redobrados êxitos na sua carreira, e que me vá trazendo as habituais noticias do nosso grande amigo que é o Embaixador Portugal em Paris, que o Sr, Dr. Francisco Seixas da Costa Que há dias se iam encontrando aqui a cortar o cabelo nos Pinto's Cabeleireiros Apolo 70 em Lisboa.
Dr. Gabriel Bastos,
um grande abraço, e outro para.
Sr. Embaixador Francisco seixas da Costa.

LINC:
Duas ou três coisas
LINC: Bicho Carpinteiro
LINC: LINc. PAUS RESENDE

NAVALHAS DE BARBEAR

Navalhas de barbear de colecção.

Bonitas navalhas do antigo barbeiro, hoje são peças de colecção.
tenho tido grande procura de informação a cerca de navalhas.
pois não imaginaria que eram peças tão interessantes para coleccionar.
Pois eu estou sempre disponível para informar de quanto sei. porque o faço da melhor vontade, que mais me fascina visto haver muitos com interesse.

Atentamente.

Joaquim Pinto.
LINC: PAUS-RESENDE
LINC: Duas ou três coisas
LINC:
Bicho Carpinteiro

19 de setembro de 2009

EMBAIXADOR FRANCISCO SEIXAS DA COSTA

Ao Sr. Embaixador Português em Paris Francisco Seixas da Costa, tenho Uma gratidão para com ele.

Escreveu no seu Blogue, Duas ou três coisas, um comentário a meu respeito profissional, Colocando esta exemplar demonstração do tradicional barbeiro.
Como sou um fascinado pela arte antiga não decorando a moderna,
O Sr. Embaixador sempre muito atento nos felicitou com um comentário e descrição pela arte de cabeleireiros. Que era um fascinado também pela restauração e culinária todo o mundo sabia, da minha profissão fiquei a saber. Comentei com o nosso amigo em comum Dr.Gabriel Bastos que esta em Paris, e quando vem a Lisboa sempre se manda um abraço para o sr. Embaixador Xeixas da Costa.
Pois. só lhe tenho a agradecer, este bonito comentário.
Todos sabem que é um Embaixador notável e que é uma pessoa de grande cultura e que sempre visitou com grande simpatia os Pinto's Cabeleireiro Apolo 70 em Lisboa há três décadas.
Sr. Emb. Francisco seixas da Costa parabens e muito obrigado.
Um abraço Joaquim Pinto
LINC. Duas ou três coisas :
LINC: PAUS-RESENDE
LINC: Pinto's Cabeleireiros - Apolo70 - Joaquim Pinto

18 de setembro de 2009

PINTO'S - CABELEIREIROS "APOLO 7 0"











PINTO'S CABELEIREIROS DE HOMENS, DENTRO DO CENTRO COMERCIAL APOLO 70 AGORA COMPLETAMENTE RENOVADO. SABEMOS QUE FOI O PRIMEIRO CENTRO COMERCIAL DO PAÍS A SER INAUGURADO A 27/05/1971. TEM TIDO SEMPRE UMA EXCELENTE FREQUÊNCIA DUM PUBLICO MUITO SELECCIONADO.
O CABELEIREIRO DE HOMENS COMO É DO CONHECIMENTO PUBLICO TEM TRAZIDO CÁ AO SALÃO AS FIGURAS MUITO NOTÁVEIS DESDE O 1º DIA DA ABERTURA.
AGORA COM O CENTRO REESTRUTURADO É CONVIDATIVO A VISITAS DO GRANDE PUBLICO. ESPERAMOS A VISITA AO SALÃO PINTO'S CABELEIREIROS APOLO 70, QUE SERÃO SEMPRE BEM RECEBIDOS,
PODE FAZER SUA MARCAÇÃO PELO TEL. 217 966 718.

Atenciosamente.
Joaquim Pinto
Linc: Duas ou três coisas
Linc: Bicho Carpinteiro
Linc:
Pinto's Cabeleireiros - Apolo70 - Joaquim Pinto
LINC: PAUS RESENDE

LAVANDE E GOMIL


Lavande e Gomil.

Belos tempos que os barbeiros usavam esta bonita peça de arte para fazer as barbas. Pois era tempos que não havia lavatório e usavam o gomil para renovar a água do lavande, quando o barbeiro estava a barbear.
Atentamente.
Joaquim Pinto

LINC: PAUS RESENDE
LINC: Bicho Carpinteiro

17 de setembro de 2009

GILLETES DE BARBEAR

Gilletes de Barbear.

Estas bonitas gilletes de barbear que tão necessárias ao homem noutros tempos e que hoje são relíquias dos coleccionadores.
tenho uma boa colecção de gilletes que com o tempo vos vou mostrando.
Foi com estas bonitas peças de barbear que as barbas foram desaparecendo aos poucos nas barbearias.
Atentamente.
Joaquim pinto.
Linc.Duas ou três coisas
Linc.Bicho Carpinteiro

BACIA DO BARBEIRO


Bacia do Barbeiro, em porcelana.

Esta peça bem decorativa era para os barbeiros barbear.
ao guardadas para sempre ser recordado os trabalhos de antigamente.
As mais estreitas no recorte, eram do barbeiro sangrador, estas são do barbeiro de barbear.

Atentamente.
Joaquim Pinto.
LINC: Duas ou três coisas
LINC: Bicho Carpinteiro

16 de setembro de 2009

Dr. VASCO FRANCO


Dr. VASCO FRANCO, AMIGO E NOSSO CLIENTE HÁ MAIS DE 20 ANOS NOS PINTO'S CABELEIREIROS APOLO 70 EM LISBOA.

O Dr. VASCO FRANCO QUE TANTAS FUNÇÕES TEM DESEMPENHADO ;AO LONGO DA SUA CARREIRA, TAL COMO VEREADOR; COMO DEPUTADO E QUANTO SEI É CANDIDATO A PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA GERAL DE LAGOA.

Tem tido sempre um trato para connosco de grande simpatia, e de grande simplicidade. que afirma o seu grande valor pessoal quando nos visita para o seu corte de cabelo.
Fazemos votos que nos visite muitos anos que é sempre uma mais valia para o nosso salão. Pinto's Cabeleireiros Apolo 70. E toda a equipa lhe deseja que tudo corra bem na sua candidatura a Presidente da Assembleia Geral de Lagoa.
Atentamente.
Joaquim Pinto
LINC. Pinto's Cabeleireiros - Apolo70 - Joaquim Pinto
LINC: Bicho Carpinteiro
LINC: Duas ou três coisas

PENTEADO HISTÓRICO

REVISTA PENTEADOS - EDIÇÕES ROMANO
CEDEU ESTE PENTEADO HISTÓRICO.
LUIS XIV.

ATENTAMENTE.
JOAQUIM PINTO.

LINC: Bicho Carpinteiro

15 de setembro de 2009

CENTRO COMERCIAL "APOLO 70" LISBOA





CENTRO COMERCIAL APOLO 70, EM LISBOA, AGORA RENOVADO.

Merece a pena fazer uma visita ao Centro Comercial Apolo 70 em Lisboa, visto estar completamente renovado, com excelentes condições bem actualizadas, não podemos esquecer que foi o 1ºentro Comercial do País, inaugurado em Portugal, em 27/05/1971.
Depois de várias remodelações, esta foi sem dúvida a mais convidativa para o bem estar dos clientes.
Sabemos que foi sempre um Centro de frequência de grande nível, visto as grandes personalidades o tem frequentado. Este Cento Comercial agora com mais interesse tem para o visitar. Esperamos que venham ver o Centro Comercial Apolo 70 em Lisboa, e Já agora esperamos a vossa visita nos Pinto's Cabeleireiros Apolo 70.

Atentamente.
Joaquim Pinto.
LINC: Pinto's Cabeleireiros - Apolo70 - Joaquim Pinto
LINC:
CENTRO COMERCIAL APOLO 70

SIMÃO FERNANDES " DIRECTOR UCI CINEMAS "


SIMÃO FERNANDES.
Director "UCI CINEMAS.
UCI Portugal Area Menager.

Olá Sr. Simão Fernandes.
Como meu amigo e cliente há quase 30 anos, tenho oprazer e gratidão para consigo de lhe dizer umas palavras sobre a consideração que tenho pelo meu amigo. que no decorrer de tantos anos sempre com toda a simpatia e amizade por esta casa e sempre bem disposto com a equipa Pinto's Cabeleireiro Apolo 70 em Lisboa.
Espero e agradeço a sua visita por muitos anos.
Um abraço ao meu amigo Simão Fernades.

Linc .Pinto's Cabeleireiros - Apolo70 - Joaquim Pinto
Linc:
Duas ou três coisas
Linc.Museu do Barbeiro e Cabeleireiro - Joaquim Pinto

BACIA DOS BARBEIRO "EM PORCELANA"


Bacia dos Barbeiros "em Porcelana."

Esta bonita peça bacia ou lavande, era usada nas barbearias, para barbear.
Convém ir mostrando as nossas tradições. que outrora foram usadas.

Atentamente.
Joaquim Pinto
LINC:The Portuguese Barber's Museum - Straight Razor Place Forums

13 de setembro de 2009

BARBEIRO CIRURGIÃO E DENTISTA

Barbeiro Cirurgião e Dentista.

Belos tempos que o barbeiro se fazia acompanhar com este estojo que é o de limpeza de boca do chamado barbeiro dentista.
Pois tirava os dentes quando necessário e era com este estojo que fazia a limpeza.
Fazemos uma pequena ideia sentar numa cadeira do dentista actual e puxar por uma ferramenta destas?
Ese estojo tem seguramente 120 anos.
Atentamente.
Joaquim Pinto.
LINC:Pinto's Cabeleireiros - Apolo70 - Joaquim Pinto

PENTEADO HISTÓRICO


REVISTA PENTEADOS - EDIÇÕES ROMANO- CEDEU ESTA FOTO " PENTEADO HISTÓRICO"

PENTEADO DE NOITE
SÉCULO XIX

Merece a pena divulgar estes estes bonitos penteados históricos e também divulgar um invulgar documentário que tem arquivado a REVISTA PENTEADOS.
Aqui deixo os agradecimentos por me ter facultado tão rica colecção de penteados históricos

Atentamente.
Joaquim Pinto.
LINC:The Portuguese Barber's Museum - Straight Razor Place Forums

12 de setembro de 2009

COLORIMETRIA CAPILAR






















COLORIMETRIA CAPILAR


... O FASCÍNIO DO SENSUAL,

A EXPRESSIVIDADE CINTILANTE DA
CROMATICIDADE, SÃO A MAGIA E A
SEDUÇÃO HETEROGÉNIA DA
BELEZA SONANTE DOS CABELOS !...

A COR NATURAL DOS CABELOS; é determinada pela presença de pigmentos
melânicos que se encontram no interior do Córtex, sendo produzidos por um
agente químico/orgânico, a “MELA NINA.” Esta, tem o seu desenvolvimento
no interior das células, através dos melanócitos, existentes em toda a cama-
da basal da pele, sendo os autênticos geradores dos pigmentos. Por sequência,
os responsáveis pela cor natural da pele, do CABELO, das unhas e da Íris ocu-
lar. Partindo deste princípio, todos os cabelos têm pigmentos os quais trans-
mitem a cor natural aos cabelos com exclusão dos cabelos translúcidos os
(brancos) e dos indivíduos que sofrem de albinismo.

AFINAL O QUE É A MELANINA? É, um polímero de células de elevado peso
molécular insolúveis à água e à maioria dos dissolventes. Quimicamente, é
pouco reactiva. Só é possível alterar a sua composição, através de produtos
oxidativos ou pela acção de soluções alcalinas.

EXISTEM DOIS TIPOS DE MELANINAS: nos cabelos escuros predominam os
pigmentos granulosos (tipo R), classificados por Eumelaninas.
nos cabelos mais claros predominam os pigmentos difusus (tipo J), classifi-
cados por Feomelaninas.

O COLORIR DOS CABELOS; já vem desde a antiguidade.
Em síntese: os Egípcios foram os primeiros a utilizar extractos vegetais e
compostos metálicos para colorir os seus tecidos. Posteriormente, aplica-
ram essas metodologias nas cabeleireiras e mais tarde aos cabelos.
Já no decorrer do Século XIX, foi descoberto que certas substâncias criadas
por sintetização química tinham capacidade de pintar fibras de animais.
Posteriormente esses princípios e métodos para colorir os cabelos dos humanos.
Já no segundo quarto do Século XX, aperfeiçoaram-se os colorantes capilares
e o seu uso começou a estender-se à sociedade até aos dias de hoje.
Presentemente, existem variadíssimos produtos e opções para colorir os
cabelos.

! SEM LUZ NÃO EXISTE COR...

O SOL, é uma fonte de energia que se difunde numa gama de radiações em ondas
magnéticas que chegam até nós.
A radiação luminosa, ( a luz branca), são parte dessas radiações perceptíveis
pelo olho humano, através da banda de visibilidade de 380 a 780 nm.
A luz branca, através do seu espectro, é decomposta em seis cores:
> Violeta, Azul, Verde, Amarelo, Laranja e Vermelho < azul =" Verde" vermelho =" Violeta" vermelho =" Laranja"> Amarelo, Laranja, Vermelho

Tons Frios > Violeta, Azul, Verde

COMPLEMENTARIDADE Das CORES:
As cores primárias e secundárias, para além de serem usadas para criar novas
cores, podem ser combinadas entre si para neutralizar ou para contrastar
determinada cor com outra.
Exemplo: misturando o amarelo com o violeta, o laranja com o azul obtém-se um tom
neutro, (cinzento).
O uso destas cores em diferentes concentrações cria cores e matizes diferentes.

O amarelo está posicionado no círculo cromático oposto ao violeta.
É fácil de entender a sua complementaridade quando se sabe que o
violeta é uma combinação de vermelho e azul; adicionando-lhes o
amarelo, obtém-se uma combinação das três cores primárias, as quais,
se neutralizam umas às outras obtendo-se como resultado o preto.

SINTETIZANDO:
Os Tons Quentes: o Amarelo, o Laranja e o Vermelho, utilizam-se para
neutralizar as cores frias.
Os Tons Frios: o Violeta, o Azul e o Verde, utilizam-se para neutralizar
as cores quentes.

TIPOLOGIAS COLORATIVAS CAPILARES
Presentemente, existem vários tipos de colorantes. Cada um propociona
determinados efeitos e durabilidade. Desta forma, temos:
Os colorantes “TEMPORAIS” têm efeitos matizantes e
são de curta duração.
Os corantes “SEMIPERMANENTES” têm duas
variantes: os de aplicação DIRECTA com efeitos tonali-
zantes de média durabilidade e os designados por
por TOM S/ TOM que necessitam de um veículo de média
oxidação para desenvolver e revelar a sua cor com
alguma eficácia na localização e nacobertura (média)
nos cabelos brancos, durabilidade sem grandes altera-
no matiz dos cabelos naturais.
Os colorantes “PERMANENTES”,também designados por
oxidativos, têm a capacidade total na polimerização dos
pigmentos naturais e na opacidade,(cobertura dos cabelos
brancos.
Existem outros tipos de produtos com efeitos matizadores,
tais como: champôs, máscaras e outros para o embeleza-
mento dos cabelos, os quais se podem classificar como
progressivos.

A NOMEMCLATURA DAS CORES CAPILARES
São classificadas por numeração cardinal e/ou composta pela seguinte ordem:
- a sua altura de tom
- o seu matiz primário
- o seu matiz secundário.
OBS: algumas marcas de colorantes capilares, os seus laboratórios
de investigação e desenvolvimento criam alguns tons com terceiro
matiz de reflexibilidade. Como exemplo: os tons irisados, nacarados
ou de outra índole imaginativa.

Partindo deste princípio ; os tons fundamentais da Escala Universal, são
representados por numeração cardinal, iniciada pelo número (1)-preto
terminando no número (10)-louro extra claro.
Todas as outras tonalidades que possam existir nos catálogos de coloração,
independentemente do fabricante, são tons compostos com simbologias
próprias para a sua definição e conhecimento.

O profissional tem de saber definir os matizes de um determinado tom (com-
posto), como a sua intensidade de reflexividade:
O matiz cinza ........ tem o numérico ............1
o matiz bege ..........................."......................2
o matiz dourado ....................."......................3
o matiz acobreado ................ “ .....................4
o matiz acajú ..........................“ .....................5
o matiz avermelhado ........... “ .....................6
o matiz esverdeado ....(a).... “ ..................... 7
(a)-presentemente, não são muito utilizáveis os matizes esverdeados na
coloração dos cabelos.

Partindo dos princípios das nomenclaturas das cores dos seus matizes e
reflexos, dando-se como exemplo: o tom “Louro Natural Acobreado
Dourado,tem-se a seguinte ordem numérica:
- O Louro Natural,corresponde à altura de tom da
escala universal de:(1 a 10).
-O matiz acobreado,o (primário),corresponde ao número 4
-O matiz dourado, o(secundário),corresponde ao númrro 3
Por esta lógica numérica, temos a nomenclatura do tom:7.43.
os matizes têm a capacidade de reflectir sobre o tom, transmitindo-lhes a sua
intensidade, reelegibilidade e brilho.

O reflexo de um determinado objecto ou corpo, neste caso, o CABELO, é a sua
capacidade de absorção em que os tons se enriquecem.
É um efeito puramente lumínico que potencia a vivacidade e a luminosidade
na sua transparência no seu brilho e na sua beleza sem que para tal tenha de se
alterar a sua matiz.

A profundidade e intensidade de uma qualquer cor, têm como objectivo o
embelezamento dos cabelos no seu todo.
A capacidade na opacidade dos cabelos brancos e a luminosidade dos tons estão
condicionados às características dos cabelos, respeitante ao seu grau de
permeabilidade aos diversos produtos capilares. ( + ou - ).

A fixação e estabilização dos pigmentos ,sua durabilidade,muito depende de
vários factores. Existem regras muito concretas e específicas as quais devem
ser seguidas em concertação técnico/química e de conhecimentos com toda a
sua mestria e rigor:
Diagnosticar e determinar os objectivos
Preparação e aplicação de um determinado colorante
Vigiar e controlar,visualmente, a evolução da cor,
suas reações e determinar os tempos de pose a cada caso
FINALIZAÇÃO

A FORMULAÇÃO QUÍMICA DOS COLORANTES CAPILARES; têm de possuir
moléculas,(pigmentá rias), de elevado grau de pureza e de conjunção que
sejam compatíveis e de fácil aderência e penetração através da Cutícula
capilar.
Cada tipo de colorante é, adaptável às diversas circunstâncias colorativas.
Os tons podem ser misturados entre si. Desta forma, o profissional cria a sua
própria personalidade de cor ,tendo sempre em vista, o matiz que pretende dar
à mesma.

A SUBSTANTIVIDADE QUÍMICA; deve ser compatível com a estrutura físico/química
do cabelo. sendo através dos percursores da mela nina, possam resistir aos
agentes físicos naturais como aos variadíssimos químicos capilares.
A investigação sobre este campo, muito se tem desenvolvido e esforçado na procura
de novos agentes químicos, de novas fórmulas, de novos conceitos e critérios que
sejam mais compatíveis com a massa capilar e menos agressivos para com a pele e o
cabelo.” É a procura entre a cromaticidade e a beleza dos cabelos.”

O MAIS IMPORTANTE É SEM DÚVIDA; ter uma base de conhecimentos e de conceitos
em colorimetria como nas várias áreas tecnológicas “aplicativas.”
Há que ter em mente, que o cabelo é um elemento específico e de formas
diferentes. as distintas acções produzidas nos mesmos, requerem conhecimentos e
sebedoria.
Cada cabelo, tem de ser considerado como um caso muito específico e pontual.

OS SEIS PROCEDIMENTOS DE COMPLEMENTARIDADE AO CAMPO COLORATIVO:
- Descoloração (integral ou localizada)
- Mordente
- decapagem (desoxidação de pigmentos artifíciais)
- Pré-coloração
- Pré- pigmentação
- Varrimento de matizes (limpesa)

Sobre esta base de conceitos e procedimentos, o profissional tem de agir em com-
formidade com as necessidades de cada cabelo a tratar
A selectividade do tom, a pureza cintilante e harmoniosa, os reflexos subtis e
personalizados, são a senda do dia-a-dia do profissional na constante procura do
fascínio e expressividade na arte criativa. "O Glamour"!...
> A coloração capilar é o esteio técnico /profissional do cabeleireiro de hoje, do amanhã, do futuro! (...)

Texto elaborado e cedido por:
José Manuel Lopes
.


Prof. Manuel Sérgio Vieira e Cunha


Prof. Manuel Sérgio Vieira e Cunha.

Como nosso cliente e bom amigo, dos Pinto´s Cabeleireiros Apolo em Lisboa, tomo a liberdade de falar sobre este grande senhor à cerca da sua Excelente simpatia com que sempre nos visita, com as suas graças do seu desporto , das suas muitas viagens ao estrangeiro que é sempre um gosto ouvi-lo .
Posso dizer o numero da sua vasta carreira Universitária como Doutor Professor e Desporto.
É licenciado em Filosofia pela Universidade de Lisboa E Doutor Professor agregado em Motricidade Humana, pela Universidade Técnica de Lisboa . A sua tese de Doutoramento, intitulada “ Para uma Epistemologia da Motricidade Humana de que a educação Física é a Pré-Ciência .
É sócio da Associação Portuguesa de Escritores, e autor e co-autor de 37 livros e de inúmeros artigos, em revistas nacionais e internacionais.
É professor catedrático convidado aposentado da Faculdade de Motricidade Humana Universidade Técnica de Lisboa . Foi professor catedrático da Universidade Fernando Pessoa e do Instituto Superior da Maia. E actualmente Presidente dO ISEIT ( Instituto Piaget – Almada ) desde o ano lectivo 2002/2003.
Em 1985 visitou o Brasil a convite da Universidade Federal de Paraíba e do Colégio Brasileiro de Ciências de Espore. Tendo tanto para dizer deste cliente sobre o seu curriculum que é muito grande, mas limito-me a dar os parabéns e que seja meu cliente por muitos e longos anos que já lá vão 34,. um abraço de toda a equipa Pinto's Cabeleireiros Apolo 70.
Parabéns Professor Manuel Sérgi.

Atenciosamente.
Joaquim Pinto.
LINC:
Duas ou três coisas
Linc.Museu do Barbeiro e Cabeleireiro - Joaquim Pinto

MAQUINA DE ULTRAVIOLETAS

Maquina ultravioletas.

Maquina bastante antiga ultra violetas usada nos cabeleireiros, que hoje pouco usada.
Servia para dar a massagem com choques de ultra violetas, e servia para a irrigação sanguínea e cutânea. Esta bonita peça foi uma colega que me a ofereceu.
.
Atenciosamente.
Joaquim Pinto.
Linc.Duas ou três coisas

11 de setembro de 2009

PINTURA DO BARBEIRO


Pintura alusiva ao barbeiro.

O barreiro é sempre uma figura carismática que não falta que o queira referenciar em qualquer tema.
Uma figura do barbeiro muito original com o respectivo cliente, não deixa de ser bastante curioso e bastante artístico.

Atenciosamente.
Joaquim Pinto
Linc.Duas ou três coisas

PENTEADOS HISTÓRICOS



Cabeleireiros de Senhoras,

Bonitos trabalhos exibidos pelos colegas cabeleireiros de senhoras.
Trabalhos que ficam para a história dos nossos artistas de antigamente.

Atenciosamente.
Joaquim Pinto
Linc.The Portuguese Barber's Museum - Straight Razor Place Forums

10 de setembro de 2009

O FASCÍNIO SENSUAL DA COR 8

colorimetria capilar

... O FASCÍNIO DO SENSUAL,

A EXPRESSIVIDADE CINTILANTE DA

CROMATICIDADE, SÃO A MAGIA E A

SEDUÇÃO HETEROGÉNIA DA

BELEZA SONANTE DOS CABELOS !...


A COR NATURAL DOS CABELOS; é determinada pela presença de pigmentos

melânicos que se encontram no interior do Cortex, sendo produzidos por um

agente químico/orgânico, a “MELANINA.” Esta, tem o seu desenvolvimento

no interior das células, através dos melanócitos, existentes em toda a cama-

da basal da pele, sendo os autênticos geradores dos pigmentos. Por sequência,

os responsáveis pela cor natural da pele, do CABELO, das unhas e da Íris ocu-

lar. Partindo deste princípio, todos os cabelos têm pigmentos os quais trans-

mitem a cor natural aos cabelos com exclusão dos cabelos translúcidos os

(brancos) e dos indivíduos que sofrem de albinismo.


AFINAL O QUE É A MELANINA? É, um polímero de células de elevado peso

molécular insolúveis à água e à maioria dos dissolventes. Quimicamente, é

pouco reactiva. Só é possível alterar a sua composição, através de produtos

oxidativos ou pela acção de soluções alcalinas.


EXISTEM DOIS TIPOS DE MELANINAS: nos cabelos escuros predominam os

pigmentos granulosos (tipo R), classiificados por Eumelaninas.

nos cabelos mais claros predominam os pigmentos difusus (tipo J), classifi-

cados por Feomelaninas.


O COLORIR DOS CABELOS; já vem desde a antiguidade.

Em síntese: os Egípcios foram os primeiros a utilizar extractos vegetais e

compostos metálicos para colorir os seus tecidos. Posteriormente, aplica-

ram essas metodologias nas cabeleireiras e mais tarde aos cabelos.

Já no decorrer do Século XIX, foi descoberto que certas substâncias criadas

por sintetização química tinham capacidade de pintar fibras de animais.

Posteriormente esses princípios e métodos para colorir os cabelos dos humanos.

Já no segundo quarto do Século XX, aperfeiçoaram-se os colorantes capilares

e o seu uso começou a estender-se à sociedade até aos dias de hoje.

Presentemente, existem variadíssimos produtos e opções para colorir os

cabelos.


! SEM LUZ NÃO EXISTE COR...

O SOL, é uma fonte de energia que se difunde numa gama de radiações em ondas

magnéticas que chegam até nós.

A radiação luminosa, ( a luz branca), são parte dessas radiações perceptíveis

pelo olho humano, através da banda de visibilidade de 380 a 780 nm.

A luz branca, através do seu espectro, é decomposta em seis cores:

> Violeta, Azul, Verde, Amarelo, Laranja e Vermelho <

Cada objecto alcançado pelo prisma da luz, comporta-se como um espelho,

reflectindo completamente ou em parte a luz pelo qual é atingido.

Se o objecto reflecte a luz por completo, o olho humano vê-o branco.

Se absorve por completo, o olho vê negro.

O BRANCO é a cor reflectante. O NEGRO é a cor absorvente.

Entre os dois extremos, depende da propoção entre a quantidade de luz

reflectida e a observida.

O olho humano, prepociona as diferentes cores e a sua intensidade através da

imensidão dos coloridos da natureza ou cores preparadas pelas tecnologias

laboratoriais.

PARA O CABELEIREIRO É FUNDAMENTAL, saber interpretar a ciência que

estuda as “Leis Básicas da Colorimetria,“ as quais definem a sua grandeza e a

sua dimensão.

É imprescendível, entender o Círculo Cromático através da “ A Estrela de

Ostwald e o disco de Newton” os quais indicam as cores PRIMÁRIAS (fundamentais),

e as cores SECUNDÁRIAS (complementares), como a sua neutralização entre si.

DEFINIÇÃO:

As Cores PRIMÁRIAS, são: o Vermelho, o Amarelo e o Azul.

Misturando duas a duas em partes iguais, obtêm-se as cores SECUNDÁRIAS

ou seja, as cores complementares:

amarelo + azul = Verde

azul + vermelho = Violeta

amarelo + vermelho = Laranja

CLASSIFICAÇÃO DAS CORES:

Tons Quentes > Amarelo, Laranja, Vermelho

Tons Frios > Violeta, Azul, Verde


COMPLEMENTARIDADE Das CORES:

As cores primárias e secundárias, para além de serem usadas para criar novas

cores, podem ser combinadas entre si para neutralizar ou para contrastar

determinada cor com outra.

Exemplo: misturando o amarelo com o violeta, o laranja com o azul obtém-se um tom

neutro, (cinzento).

O uso destas cores em diferentes concentrações cria cores e matizes diferentes.


O amarelo está posicionado no círculo cromático oposto ao violeta.

É fácil de entender a sua complementariedade quando se sabe que o

violeta é uma combinação de vermelho e azul; adicionando-lhes o

amarelo, obtém-se uma combinação das três cores primárias, as quais,

se neutralizam umas às outras obtendo-se como resultado o preto.


SINTETIZANDO:

Os Tons Quentes: o Amarelo, o Laranja e o Vermelho, utilizam-se para

neutralizar as cores frias.

Os Tons Frios: o Violeta, o Azul e o Verde, utilizam-se para neutralizar

as cores quentes.

TIPOLOGIAS COLORATIVAS CAPILARES

Presentemente, existem vários tipos de colorantes. Cada um propociona

determinados efeitos e durabilidade. Desta forma, temos:

  • Os colorantes “TEMPORAIS” têm efeitos matizantes e

são de curta duração.

  • Os corantes “SEMIPERMANENTES” têm duas

variantes: os de aplicação DIRECTA com efeitos tonali-

zantes de média durabilidade e os designados por

por TOM S/ TOM que necessitam de um veículo de média

oxidação para desenvolver e revelar a sua cor com

alguma eficácia na tonalizaçã e nacobertura (média)

nos cabelos brancos, durabilidade sem grandes altera-

no matiz dos cabelos naturais.

  • Os colorantes “PERMANENTES”,também designados por

oxidativos, têm a capacidade total na polimerização dos

pigmentos naturais e na opacidade,(cobertura dos cabelos

brancos.

  • Existem outros tipos de produtos com efeitos matizadores,

tais como: champôs, máscaras e outros para o embeleza-

mento dos cabelos, os quais se podem classificar como

progressivos.


A NOMEMCLATURA DAS CORES CAPILARES

São classificadas por numeração cardinal e/ou composta pela seguinte ordem:

- a sua altura de tom

- o seu matiz primário

- o seu matiz secundário.

OBS: algumas marcas de colorantes capilares, os seus laboratórios

de investigação e desenvolvimento criam alguns tons com terceiro

matiz de reflexibilidade. Como exemplo: os tons irisados, nacarados

ou de outra índole imaginativa.

Partindo deste princípio ; os tons fundamentais da Escala Universal, são

representados por numeração cardinal, iniciada pelo número (1)-preto

terminando no número (10)-louro extra claro.

Todas as outras tonalidades que possam existir nos catálogos de coloração,

independentemente do fabricante, são tons compostos com simbologias

próprias para a sua definição e conhecimento.


O profissional tem de saber definir os matizes de um determinado tom (com-

posto), como a sua intensidade de reflexibidade:

  • O matiz cinza ........................ tem o numérico .......... 1

  • o matiz bege ......................... “ .......... 2

  • o matiz dourado .................. “ .......... 3

  • o matiz acobreado .............. “ .......... 4

  • o matiz acajú ........................ “ .......... 5

  • o matiz avermelhado ......... “ .......... 6

  • o matiz esverdeado ....(a).... “ .......... 7

(a)-presentemente, não são muito utilizáveis os matizes esverdeados na

coloração dos cabelos.

Partindo dos princípios das nomenclaturas das cores dos seus matizes e

reflexos, dando-se como exemplo: o tom “Louro Natural Acobreado

Dourado,tem-se a seguinte ordem numérica:

- O Louro Natural,corresponde à altura de tom da

escala universal de:(1 a 10).

-O matiz acobreado,o (primário),corresponde ao número 4

-O matiz dourado, o(secundário),corresponde ao númrro 3

Por esta lógica numérica, temos a nomenclatura do tom:7.43.

os matizes têm a capacidade de reflectir sobre o tom, transmitindo-lhes a sua

intensidade, reflexibilidade e brilho.


O reflexo de um determinado objecto ou corpo, neste caso, o CABELO, é a sua

capacidade de absorção em que os tons se enriquecem.

É um efeito puramente lumínico que potencia a vivacidade e a luminosidade

na sua transparência no seu brilho e na sua beleza sem que para tal tenha de se

alterar a sua matiz.


A profundidade e intensidade de uma qualquer cor, têm como objectivo o

embelezamento dos cabelos no seu todo.

A capacidade na opacidade dos cabelos brancos e a luminosidade dos tons estão

condicionados às característicasdos cabelos, respeitante ao seu grau de

permeabilidade aos diversos produtos capilares. ( + ou - ).

A fixação e estabilização dos pigmentos ,sua durabilidade,muito depende de

vários factores. Existem regras muito concretas e específicas as quais devem

ser seguidas em concertação técnico/química e de conhecimentos com toda a

sua mestria e rigor:

  • Diagnosticar e determinar os objectivos

  • Preparação e aplicação de um determinado colorante

  • Vigiar e controlar,visualmente, a evolução da cor,

suas reações e determinar os tempos de pose a cada caso

  • FINALIZAÇÃO


A FORMULAÇÃO QUÍMICA DOS COLORANTES CAPILARES; têm de possuir

moléculas,(pigmentárias), de elevado grau de pureza e de conjunção que

sejam compatíveis e de fácil aderência e penetração através da Cutícula

capilar.

Cada tipo de colorante é, adaptável às diversas circunstâncias colorativas.

Os tons podem ser misturados entre si. Desta forma, o profissional cria a sua

própria personalidade de cor ,tendo sempre em vista, o matiz que pretende dar

à mesma.


A SUBSTANTIVIDADE QUÍMICA; deve ser compatível com a estrutura físico/química

do cabelo. sendo através dos percursores da melanina, possam resistir aos

agentes físicos naturais como aos variadíssimos químicos capilares.

A investigação sobre este campo, muito se tem desenvolvido e esforçado na procu-

ra de novos agentes químicos, de novas fórmulas, de novos conceitos e critérios que

sejam mais compatívis com a massa capilar e menos agressivos para com a pele e o

cabelo.” É a procura entre a cromaticidade e a beleza dos cabelos.”


O MAIS IMPORTANTE É SEM DÚVIDA; ter uma base de conhecimentos e de conceitos

em colorimetria como nas várias áreas tecnológicas “aplicativas.”

Há que ter em mente, que o cabelo é um elemento específico e de formas

diferentes. as distintas acções produzidas nos mesmos, requerem conhecimentos e

sebedoria.

Cada cabelo, tem de ser considerado como um caso muito específico e pontual.

OS SEIS PROCEDIMENTOS DE COMPLEMEMTARIDADE AO CAMPO COLORATIVO:

- Descoloração (integral ou localizada)

- Mordente

- decapagem (desoxidação de pigmentos artifíciais)

- Pré-coloração

- Pré- pigmentação

- Varrimento de matizes (limpesa)


Sobre esta base de conceitos e procedimentos, o profissional tem de agir em com-

formidade com as necessidades de cada cabelo a tratar

A selectividade do tom, a pureza cintilante e harmoniosa, os reflexos subtis e

personalizados, são a senda do dia-a-dia do profissional na constante procura do

fascínio e expressividade na arte criativa.

texto realizado e cedido por:

José Manuel Lopes